O desenho mais visto no mundo é russo: “Masha e o Urso” 

Cena do episódio Receita para o desastre.

"Masha e o Urso" é a série de desenhos animados mais vista no mundo. E os números que revelam a quantidade de espectadores das aventuras destes dois personagens baseados em um conto do folclore popular russo são impressionantes, quase inacreditáveis.

O link oficial do projeto no YouTube apresenta 6,5 milhões de seguidores e 16,5 bilhões de visualizações de todo o conteúdo da série, segundo a agência russa Sputnik.

O desenho conta a história de Masha, uma típica menina russa de três anos que faz amizade com um enorme urso e é cuidada por ele. Ela, que mora com os avós numa casa em meio a floresta, perto de uma estação ferroviária abandonada da ferrovia Transiberiana, é uma criança que não para quieta, cheia de energia e criatividade. Constantemente, Masha visita seu amigo urso em sua moradia, no bosque. Ele é um antigo artista de circo e age como uma figura responsável que tem que suportar as travessuras da menina. A garotinha não é malcriada, é bagunceira, mas sempre aprende que uma criança, independente da situação, deve ser generosa, amiga, solidária. Embora às vezes não seja fácil...

A série de animação está na terceira temporada, o que já dá um total de 62 capítulos, em 3D. O capítulo 17, Receita para o Desastre (1), de pouco mais de seis minutos, é o mais popular no mundo.  Lançado em 2012, em sua versão em russo, ou dublado em várias línguas, até 15 de março passado tinha 2,6 bilhões de reproduções. O episódio conta as peripécias do urso que quer jogar uma partida de damas em paz até que é interrompido por Masha. Isso obriga o animal a abandonar o local e deixá-lo à mercê da inquieta menina, que prepara um mingau de framboesa e transforma a casa em um desastre.

O Estúdio Animaccord, com sede em Moscou, foi criado para produzir os episódios de “Masha e o Urso”. Ele é dirigido por Oleg Kuzovkov, que assina como autor todas as histórias da série e alterna a direção dos filmes com Denis Cherviatzov, Marina Nefedova e outros. 

O Animaccord começou a funcionar em 2008, um ano antes do lançamento do primeiro episódio. Dmitri Loveiko, outro dos criadores do desenho, disse que naquele momento “não sabíamos se o projeto triunfaria ou não, mas já tínhamos nas mãos oito roteiros e todo o projeto da série”. E como deu certo.

Segundo os criadores, a popularidade da série em vários países é um exemplo clássico de como o mergulho no particular conduz ao universal. "Acredito que todas as crianças de menos de cinco anos de qualquer país do mundo são muito parecidas”, comenta  Denis Cherviatsov. Segundo Denis, "com o acento na ação e não nos diálogos, os filmes são mais próximos do formato do cinema mudo em que tudo se entende sem necessidade de palavras e isso para as crianças é muito bom”. Ação, humor, ausência de violência, mas muita tensão e carinho, cenas que representam situações que todas as crianças gostariam de viver são os ingredientes usados pelos autores do seriado. A música envolvente e de altíssima qualidade a cargo de Vassily Bogatyrev, dá tempero à receita.

Os direitos de exibição da série foram negociados com a Turner (Cartoon Network), France Television, KIKA, Sony Music e NBC Universal. Mas na maioria dos 22 países em que o desenho chegou ao cinema e televisão, ele entrou por fora das majors norte-americanas, através de distribuidores e exibidores nacionais, como a Paris Filmes, TV Cultura e SBT, no caso do Brasil. “Masha e o Urso” está disponível em inglês, alemão, francês, espanhol, português, chinês e ucraniano, catapultando a audiência.

Em 2012 o Animaccord criou “Contos de Masha” e em 2014 foi lançada uma segunda sub-série (spin-off), “Histórias Assustadoras de Masha”.

No Brasil, a animação é transmitida nos canais TV Cultura, SBT, Boomerang, Cartoon Network e está no Netflix.

O desenho baseado no conto popular do mesmo nome tem antecessores – e modelos, diria - dos tempos soviéticos.

O principal deles é “Mashenka e o Urso”(2), criado pelo grande cineasta de animação Roman Kachanov em 1960, produzido pelo estúdio Soyuzmultfilm, especializado no ramo.

Esta versão teve um sucesso estrondoso na URSS, sendo vista até hoje. Kachanov foi um mestre na realização de filmes de marionetes, cheios de humor e encanto. Foi autor também de outras obras primas da animação como “O Crocodilo Gena” de 1969. Em 1971 criou o filme “Cheburashka”, em 1973 “Shapoklyak”, em 1983 “Cheburashka Vai à Escola”.

Na União Soviética foram produzidos muitos desenhos maravilhosos, concebidos e realizados principalmente pelo Soyuzmultfilm. Esses filmes abrangeram o folclore de muitas das Repúblicas do país e, por isso, estavam cheios de roteiros e questões interessantes baseados em contos e relatos de diferentes povos.

Na atualidade, a escola de desenhos animados russos continua ativa e operante. O estúdio que durante a URSS se especializou neles, o Soyuzmultfilm, como indicamos antes, está sendo revitalizado. Com projeto, planejamento e obra do Moskomarkhitektura, órgão da prefeitura de Moscou, o estúdio terá uma nova sede de cinco andares, que ocupará 5,7 mil metros quadrados em lugar muito bem localizado da capital russa(3). E ainda, para comemorar os 80 anos de criação do Estúdio (junho de 1936) foi preparado um trem que anda na linha circular do Metrô de Moscou, repleto de pinturas e cenas dos melhores e mais conhecidos filmes de animação produzidos no país(4). (SUSANA SANTOS)


1- Masha e o Urso - Episódio 17 - Receita para o desastre.
2- Mashenka e o Urso
3- Maquete da nova sede do Estúdio de Animação SOYUZMULTFILM
4- Fotos do trem "SOYUZMULTIFILM" no metrô de Moscou


Publicado na Hora do Povo, edição 3.524, 05/04/2017