Primeiro em HD, depois em 4K


Restauramos filmes muito complexos como “Ivan, o Terrível” e “Aleksandr Nievsky”. Mas, “Guerra e Paz” tem três vezes o tamanho deles.

Além disso, a imagem colorida apresenta mais dificuldade de preservação que a imagem em branco-e-preto. Serguey Fiodorovich Bondarchuk filmou com película nacional. Não queria ter limitações, quanto à quantidade de filme para realização de todas as suas ideias criativas.

A fábrica Svema, na cidade de Shostka (Ucrânia), o principal produtor de películas da URSS, realizava experimentos com a composição de tintas, cores e tecnologias para sua aplicação. Os problemas com os negativos começaram já em 1968. Logo depois da filmagem de “Guerra e Paz” apareceu a “respiração” colorida, houve mudanças na geometria dos quadros. O filme é muito grande, ambicioso, temos que restaurá-lo em resolução 4K. Faremos isso no futuro. Agora é imprescindível termos o material de "Guerra e Paz” com maior resolução, pelo menos em HD. A ideologia da restauração é restabelecer o filme naquela forma em que foi visto pelo primeiro espectador, não acrescentando nada - não piorando nem melhorando. Nós sabemos que é uma obra-prima e nossa tarefa é trazer ela assim como fora criada por Serguey Fiodorovich.

Este princípio é seguido por restauradores do mundo inteiro. No festival de filmes clássicos em Lion, durante mesas redondas, conferências e discussões, junto com aspectos técnicos, foi debatido exatamente o aspecto ético da restauração. E aqui temos uma opinião idêntica a de nossos colegas estrangeiros: “O fundamental é não causar dano”.


Igor Bogdasarov, em Notícias do Mosfilm  (21.01.2016)